terça-feira, 27 de abril de 2010

A S&P validou a irracionalidade

A Standard &; Poor's validou sentimentos de um mercado que está com sintomas de pânico e validou as comparações abusivas entre Portugal e a Grécia ao anunciar a degradação do 'rating' de Portugal no mesmo dia em que o fez para a Grécia.

O 'rating' da Grécia passou de BBB+ para BB+. Os títulos da dívida pública da Grécia são agora "junk bonds",
O risco da República portuguesa é agora "A- com oulook negativo", depois da última mudança ( "A+ com outlook negativo") ter ocorrido a 7 de Dezembro de 2009.

O que mudou de fundamental em Portugal e no ambiente em que se move desde 7 de Dezembro de 2009:
Pela positiva
1 - Foi aprovado o Orçamento do Estado para 2010 com medidas de redução do défice público
2 - Foi aprovado e validado por Bruxelas o Programa de Estabilidade e Crescimento que consagra medidas de aumento de impostos e redução das despesas que mais têm crescido, as sociais; 
3 - O ambiente político ficou mais claro: a nova liderança do PSD não pretende deixar cair o Governo este ano;

Pela negativa:
1 - Ainda há poucas medidas do PEC concretizadas e uma das que pode dar mais receita fiscal, a redução das deduções à colecta, merece a oposição do PSD;
2 - Os investidores financeiros estão a fugir da dívida pública portuguesa em montantes que estão a fazer baixar significativamente as cotações (e por isso a aumentar as taxas de juro) na sequência de análises e opiniões emitidas por jornais e economistas norte-americanos que compararam Portugal à Grécia.

De tudo o que aconteceu o que fez a S&P?
Valorizou os comportamentos, as teses e as análises dos investidores e dos analistas norte-americanos e desprezou todas as medidas adoptadas pro Portugal.

Com estas ajudas os investidores financeiros passam de facto a acertar nas suas previsões, grandes profetas das desgraças com a ajuda de quem tem medo de errar de novo.

As agências de 'rating' estão cada vez mais prisioneiras dos mercados e a contribuir cada vez para a instabilidade e não para a informação mais perfeita e rigorosa, razão da sua criação e existência.

As razões apontadas pela S&P podem ser lidas aqui. Dizendo que a razão é económica dá-nos ainda mais razões para reforçar a ideia de que segue os mercados financeiros: o problema de crescimento económico português está detectado há, pelo menos, mais de um ano.

9 comentários:

Ricardo Reis disse...

Helena,
O que mudou foi que na semana passada o FMI reviu em baixa as expectativas do crescimento para Portugal nos proximos dois anos. O problema do crescimento pode estar detectado, mas foi noticia ser agora mais tenue a esperanca de a economia protuguesa dar a volta por cima e recomecar a crescer nos proximos dois anos.
Para alem disso, a noticia vinda da reaccao alema 'a Grecia e' que nao podemos contar com a UE para pagar as nossas dividas. Logo, aumenta a hipotese de estas nao serem pagas, aquilo (e apenas aquilo) que interessa 'as agencias de rating.
Por isso, a reaccao das agencias de rating pode ser exagerada, mas nao e irracional.

Manuel Brás disse...

E a nossa irracionalidade política?! É preciso...

Estancar a hemorragia
tão rápido quanto possível,
espevitando a letargia
que é assaz inadmissível!

Desse longínquo passado
de asneiras renovadas
resta um país fossado
por medidas entrevadas.

UFO disse...

se o governo português decidisse adoptar o sistema operativo linux em todos os computadores públicos e dos (estado e institutos e empresas públicas) pouparia imenso dinheiro.

(em muito poucos computadores seria necessário o W$).

o simples anúncio da medida faria com que os S&P's fossem pressionados para abrandarem. Ninguém é independente,...

a implementação da medida representaria uma poupança racional de valor imenso que apoio incondicionalmente e é executável sem perda de operacionalidade.

Helena Garrido disse...

Caro Ricardo Reis,
Sim o problema é a garantia de ajuda à Grécia. O que não parece racional é justificar a degradação do risco com o crescimento - as agências de 'rating' já tinham detectado há algum tempo que Portugal estava sem factores de crescimento.

Cardeal Bertone disse...

Vamos a ver se eu explico: A degradação do risco é directamente proporcional à ausência de crescimento, já que a dívida aumenta sempre mas o PIB não. Será preciso fazer um desenho?

Helena: dedica-te ao macramé, por exemplo, não tens jeito nenhum para isto

pvnam disse...

«mini-spam»
Todos Diferentes! Todos Iguais!
TODOS os povos - quer os de maior, quer os de menor, rendimento demográfico - devem possuir o Direito de ter o SEU espaço no planeta!



---> Os BANDALHOS-NAZIS (vulgo bandalhos brancos -> a maioria dos europeus) são assim mesmo:
1- não se preocupam em constituir uma sociedade sustentável (média de 2.1 filhos por mulher)... consequentemente, como é óbvio, procuram-se infiltrar em qualquer lado...
2- são INTOLERANTES para com a preservação/sobrevivência das Identidades Étnicas Autóctones...


---> Os IDIOTAS SUICIDAS (PNR's e afins) - estes idiotas não vêem que a maioria dos europeus (vulgo bandalhos brancos) não são de confiança -... andam por aí a perder tempo feitos otários.


CONCLUSÃO: Antes que seja tarde demais, há que mobilizar aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional para abraçar um projecto de Luta pela Sobrevivência... SEPARATISMO-50-50... e coligação (do tipo NATO) contra o inimigo comum: os predadores insaciáveis...
{nota: como possui armas de alta tecnologia, e como também está demograficamente ameaçada... será da máxima importância mobilizar a Rússia para a coligação}


ANEXO:
->Os Predadores Insaciáveis (africanos, islâmicos, etc) 'estão na deles'... isto é, estão numa corrida demográfica pelo controlo de novos territórios... logo, são INTOLERANTES para com a preservação/sobrevivência das Identidades Étnicas Autóctones...

Helena Garrido disse...

Caro Cardeal Bertone,
O baixo crescimento português, um dos factores que conujugado com a taxa d ejuro e o défice, nos pode levar a uma trajectória explosiva da dívida, dura há uma década. As dúvidas sobre os factores de crescimento da economia portuguesa existem há mais de cinco anos.

bravomike disse...

Já se esqueceram da Brigada do Reumático (Março74),
tal como do Ministro da Informação de Saddam (no Iraque).
Que mil TGV´s possam florescer.
JoséMonti

Anónimo disse...

O UFO é um verdadeiro pateta, a fazer eco das patetices do pateta mór, o "Pateta Coelho".


A cura para a economia do país é mudar o sistema operativo para Linux? Que anedota.
"executável sem perda de operacionalidade"??? Explique como!

"representaria uma poupança racional de valor imenso"??? Qual é o valor imenso?


Na sua aritmética de 4ª classe esquece-se de incluir custos do processo técnico de instalação em milhares de computadores espalhados pelo pais todo, custos de formação,os custos da adaptação das pessoas ao novo software que implicam o abrandamento da produtividade resultantes da instalação novo OS. Isto é evidente.

Para coroar a patetice acha que um dos critérios de avaliação da S&P é o sistema operativo instalado nos computadores do estado.

Descobriram agora o Linux. Enfim...