sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Desacordos virtuais

"Dos contactos que tenho mantido com dirigentes de instituições de solidariedade, recolho informações que a maioria dos casos de 'novos pobres' está associada a situações de divórcio", Presidente da República, criticando também a nova lei do divórcio.

O divórcio sempre foi uma das principais causas de entrada em dificuldades financeiras por parte de famílias que antes estavam na classe média. É uma das principais causas que a banca detecta quando uma família deixa de pagar as prestações da casa, a outra é o desemprego. A nova lei do divórcio está envolta em controvérsia. É convicção do Presidente que fragiliza as mulheres. Mas valia a pena esperar que a nova lei fizesse algum caminho - uma vez que já foi aprovada - antes de voltar a criticá-la.


“A nossa proposta é a mais justa. As empresas orientam-se por si próprias. O PSD espera , por isso, que a maioria socialista aprove estas propostas”,
Líder do PSD, Manuela Ferreira Leite na apresentação das propostas para o Orçamento Suplementar.

O mercado o melhor mecanismo de organização da economia. Há uma excepção que ocorre neste momento: o mecanismo está com avarias graves como estamos a ver por todo o mundo ocidental. Há propostas do PSD que têm racionalidade, como a descida da TSU, mas podem ser necessárias ajudas directas. A critica aos apoios do Estado tem o seu argumento forte no critério de escolha. Mas, na actual conjuntura, os prejuízos causados pelos erros de algumas escolhas tendem a ser inferiores aos ganhos.

Gostava que o meu país fosse um pouquinho mais parecido com o que se lê que são os países nórdicos. Em tempos de dificuldade - tão grandes como as que agora enfrentamos - todos se unem na resolução dos problemas.

As diferenças não são assim tão grandes. Na verdade, estamos todos mais ou menos certos.

4 comentários:

Anónimo disse...

A Justiça portuguesa é uma treta.
É bom que o nosso 1º sinta isso na pele.

Esta conversinha mole do Sr Presidente,sobre o divórcio,faz-me lembrar as tretas disparatadas da Ferreira Leite.

Enfim, uma miséria...

Anónimo disse...

Ainda o andor vai no Adro, mas já começo a perceber o que ía na alminha da Manela, quando ela falou nos seis mesinhos de ditadura.
Eu que detesto ditaduras e ameaças as liberdades, vejo no fundo de mim um pequeno ditador aos saltos(va de retro)a pedir um aninho de pau duro, renovável por iguais períodos.
Já vejo os professores, médicos e juízes aos saltos,bem como a restante função-pública.
Vejo os corruptos na sombra dos pobres, coitadinhos.
Mas aí acordo e lembro-me do que lí sobre corrupção na Alemanha no tempo em que Hitler esteve no poder.
E lembro-me das medidas comunistas do Salazar em relação ao congelamento das rendas.
Fico confuso e desorientado.
Vou pedir ao meu médico que me receite uma dose forte de futebol e telenovelas.
Isto não se aguenta...

VFSM disse...

Acho um absurdo que se vá aguentar um casamento de farsa porque ficamos com mais estabilidade económica.. penso que o casamento é um contrato de afectos não com o objectivo de se alcançar uma vida mais estável!!
Cavaco tem que compreender que quando as coisas não fazem sentido e se vive um casamento infeliz não deve haver dinheiro que lhe valha!!

Carlos Santos disse...

Com muita razão. Mas há um crise lá fora, e tinho a sensação que a estamos a perder de vista. Davos?
Era longo. Deixo aqui os meus medos:
http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/02/davos-e-obama-eua-china-india-e-as.html