segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Estranhos e preocupantes acontecimentos

Os acontecimentos sucedem-se de forma estonteante...
Nacionalização do BPN com uma Lei das Nacionalizações assustadora.
Vamos ver o que vão dizer os deputados.

A declaração de Miguel Cadilhe é de uma violência que tem de ter forçosamente uma razão.

Em que mundo estamos nós?
A crise financeira não pode ser pretexto de abusos do Estado contra a liberdade económica. Depois de ter falhado na regulação o Estado não nos pode tirar a liberdade de iniciativa.

Começo a ficar seriamente preocupado. Crise financeira, crise económica e limitação da liberdade... É a imagem do terror.

14 comentários:

Anónimo disse...

Não percebi porque é que isto è tão assustador.
De meter medo às criancinhas é a lei do arrendamento que temos, a corrupção generalizada que reina, a "monice"dos nossos reguladores e a treta da justiça desta república das bananas.
Essa sua preocupação súbita, deixa-me com a pulga atrás da orelha...

Anónimo disse...

Por que é que a Lei de Nacionalização do BPN é assustadora?

Por que é que a declaração de Miguel Cadilhe há-de ter alguma razão, lá por ser violenta?

Onde está o abuso do Estado? Liberdade económica seria o Estado não se imiscuir e deixar o BPN falir. É isso que a Helena preferiria? Eu, de facto, preferiria isso mesmo: que o Estado não interviesse, permitisse que a liberdade económica funcionasse, e deixando o BPN entregue à sua sorte. O Miguel Cadilhe que se avisse sozinho. Os acionistas do BPN que pusessem em tribunal, se quisessem, os gestores que o geriram mal.

Luís Lavoura

Daniel Conceição disse...

Cara Helena

Chamo à atenção de um "pormenor" que não é compatível com o Estado de Direito: a crer na comunicação social os administradores da caixa tomaram os seus lugares no BPN antes de a lei de nacionalização ser aprovada pelo parlamento.

Nuno disse...

Tb não percebo o q é tão assustador. Tb penso q deveriam ter deixado cair o BPN!
Assustador sim, é a falta de supervisão por parte do regulador, o fartar vilanagem no BPN durante demasiados anos por gente oriunda da política cavaquista! Espero q haja responsabilizações e q se houve crimes q vá gente presa, mas temo q seja como no caso BCP e não aconteça nada a ninguém!

commonsense disse...

Além da supervisão, onde andam os auditores, os conselhos de auditoria, os conselhos fiscais?

Anónimo disse...

E não há ninguém preso?

Anónimo disse...

Assustador? Preocupante?

PARA QUEM?

1) Miguel Cadilhe, "trocou" uma reforma no BCP - ainda se lembram que tentou ser presidente do BCP, ou já se esqueceram... - por um PPR, seguro, "à cause des mouches!" de 10 milhões de Euros feito fora do BPN.

Mandou fazer auditorias, assustou-se com tanta "porcaria", chamou a "policia" e pirou-se... sem antes mandar umas farpas (totalmente descabidas!).

2) Os administradores que durante uma década se aboletaram em grande e deixaram o BPN no abismo... "coitadinhos" nacionalizaram-lhes o Banco... e daqui a 5 anos, tipo julgamento "Casa Pia", ainda vão reclamar indemnizações do Estado! Querem apostar?

3) PREOCUPANTE é para o Zé Povinho, que lê agora que a CGD emprestou ao BPN centenas de milhões, mais a Segurança Social que lá depositava mais centenas de milhões... fora tudo mais o que não se sabe!

4) E já agora? Se o BPN perdeu tanto dinheiro quem é que o ganhou?
É aqui que está a questão de fundo!
Procurem para onde foi a "guita" e quem não está a pagar ao BPN.
ESTE É QUE É A GRANDE QUESTÃO PROBLEMA DE FUNDO

J. Bravo

Anónimo disse...

Assustador nacionalizar o BPN?
Francamente na actual conjuntura a solução está á vista e desde Março que a tinha transmitido em círculo de amigos.
Deixar cair o BPN, com o nível de endividamento da República, dos Bancos, das Empresas e das Famílias, seria condenar este país á fome!
O que precisamos é de revoluciomar todo o sistema judicial para começar a julgar rapidamente os criminosos, de forma a mostrar aos mais novos que o crime não compensa.
No Portugal actual, é mais fácil gerir um Banco, desviando umas massas do que vender uns cds e uns trapos piratas nas feiras!

Diogo disse...

No Daily Show de Jon Stewart, Eugene Jarecki desmonta as esperanças ingénuas dos apoiantes de Barack Obama

Jarecki: O que aconteceu foi que o nosso país mudou. O meu livro mostra como o estilo de guerra americano substituiu o estilo de vida americano… Os Constitucionalistas queriam uma República modesta, que não andasse sempre em guerra, pois sabiam – pelos Britânicos – que, se o país se envolver constantemente em guerras, o Presidente vai dizer mais frequentemente ao povo: "É tempo de guerra. Não há tempo para liberdades cívicas, não há tempo para deliberar, não há tempo para decisões racionais." Não queriam isso. Disseram: "Foi assim no tempo dos Britânicos. Criemos um Governo inteligente, que não possa estar sempre em guerra."

Stewart: Qual o máximo de tempo que estivemos neste país sem participar em alguma guerra?

Jarecki: No últimos 200 anos, um ou dois anos. Foram feitos estudos. É um estado de guerra permanente e, de certa forma, é terrível, mas é algo que todos podemos mudar.

Stewart: Não vê isto como uma questão entre Democratas e Republicanos. É o tipo de coisa que ambos os partidos… Este envolvimento dos lóbistas com as empresas não muda muito de Administração para Administração.

Jarecki: Não, de todo. As forças que controlam a nossa entrada ou não numa guerra, francamente não querem saber quem está na Casa Branca, quem está na Sala Oval,. Interessa-lhes o paradigma, a ideia de soberania americana no mundo, a forma como nos impomos e espalhamos a nossa marca.

Vídeo legendado em português

Anónimo disse...

Este silêncio está assustador....................................................................................

Anónimo disse...

"Portugal escapa à recessão"- Título do diário económico de 14/11/2008.
De novo orgulhosamente sós.
Afinal essa coisa da crise, não passa de um problema desses invertebrados desses americanos e afins...
Gosto dos jornais portugueses.

Diogo disse...

Daily Show - McCain versus McCain na ajuda financeira de 700 mil milhões de dólares à banca:


McCain: Os fundamentos deste pacote são bons... são fortes...

McCain: Demonstra a incrível influência dos lobbies e grupos de interesses.

McCain: Acredito que este plano irá dar lucro.

McCain: É uma loucura e uma obscenidade, porque é um desperdício do dinheiro dos contribuintes.

McCain: Os contribuintes serão os primeiros a receber, isso é um ponto importante desta proposta.

McCain: Isto são jogos de poder da pior espécie.

McCain: Regressei a Washington, consegui sentar os republicanos à mesa.

McCain: Estes financiamentos obscuros, estas jogadas escandalosas.

McCain: Melhoraram o plano.

McCain: É péssimo. E é uma... É uma fonte de corrupção.

McCain: E estou em crer que será aprovado.


Vídeo legendado em português (2:43m):

Anónimo disse...

O que está a acontecer á Corticeira Amorim? Um subericultor que deseja boa sorte á referida empresa.

Anónimo disse...

O barco afunda mas a orquestra toca.
Vendem-se os melhores lugares. Pobrezinhos e povão não têm vaga.
Helena volta!! Estás perdoada.
Nós compreedemos que a vida é feita de pequenas fraquezas...