segunda-feira, 1 de junho de 2009

Cavaco e o investimento

A notícia do Expresso sobre a compra e posterior venda de acções da SLN por parte de Cavaco Silva foi escrita com todo o cuidado e até justificada.
Só é notícia porque o Presidente fez um comunicado sobre o caso BPN e não revelou essa operação - e esse é o único erro que se pode apontar ao Presidente -um erro de comunicação.

As análises e opiniões que se seguiram à notícia do Expresso é que são inacreditáveis, irresponsáveis, marcadas pela ignorância ou até reveladoras de uma moral anti-investimento e lucro.

Vejamos os factos:
1. Aníbal Cavaco Silva, cidadão, investiu poupanças num grupo - a SLN - que tinha (e parcialmente ainda tem) no seu património, além do BPN, o British Hospital, a IMI - Imagens Médicas Integradas, a Real Seguros, o Hotel do Caramulo, a Murganheira, a Tapada de Chaves...

2. Investir numa empresa - para o caso de andarmos esquecidos - é dotá-la de capital para que ela possa criar valor - produzir mais, criar empregos, acrescentar valor .... Não é jogar - pode parecer pelas brincadeiras que têm sido notícia, mas não é. Quando investimos numa empresa estamos a investir num negócio.

3. Qualquer investimento tem como objectivo criar valor que se concretiza na distribuição de lucros ou na valorização do investimento - caso em que vendemos as participações com mais valias como aconteceu com Cavaco Silva.

4. Não é ilegal - todos reconhecem - nem ética e moralmente condenável investir empresas e daí retirar mais dinheiro do que se investiu - esse "mais dinheiro" corresponde ao valor criado. Pelo contrário, quem nos dera que mais pessoas investissem em empresas e mais pessoas as gerissem de forma a criarem valor - não seríamos tão pobres.

5. Um último ponto para dizer que no caso do investimento de Cavaco Silva, como o grupo não está cotado em bolsa, estamos perante um negócio entre privados.

É lamentável que se tenha chegado a este ponto.
Será necessário sujar toda a gente?
Alguém tem dúvidas que Aníbal Cavaco Silva é um político sério e que defende os interesses do País?
Foi dez anos primeiro-ministro e regressou à sua anterior profissão de professor.
Se não há dúvidas, onde queremos chegar? À auto-destruição?

Tenhamos juízo. Um dia, este sujar toda a gente, em vinganças contra moinhos de vento ou manobras de diversão, dá mau resultado.

10 comentários:

Fábio disse...

Nalguma opinião pública talvez existam resquícios de ressentimento pela famosa conjectura do "gato por lebre" que espatifou uma bolha. Mas o que me choca na notícia do Expresso é que ela descreve um investimento do Presidente, que surge completamente isolado, não se referindo nada sobre a carteira financeira do investidor Cavaco Silva. Por exemplo, qual era o peso do investimento na SLN, relativamente às restantes aplicações accionistas de Cavaco Silva?

Diogo disse...

Que outros investimentos fez Cavaco Silva?

A minha amiga já ouviu falar em insider trading?

Anónimo disse...

Os pequenos favores serão sempre bem recompensados...

O país é pequeno...
A vida dá muitas voltas...
Quem manda, manda...
Isto é uma aldeia..
Ferrar nos outros é trincar a própria perna...
Dar beijinhos para o ar, acaba sempre por a vidinha assegurar...

Tudo se pode fazer, porque a malta é estúpida e nem se sente.

Até quando, povo sereno e manso???

José Couto Nogueira disse...

É inquestionável que o cidadão Cavaco Silva pode investir na SLN e ter lucros. Agora, já não é tão inquestionável que uma empresa gerida por ex-ministros e secr. de estado do primeiro ministro o tenha convidado para participar (e não fazer um investimento através do banco; ele investiu NO banco) e QUE ELE AGORA DIGA QUE NÃO SABIA DE NADA. Não me digam que ele não acompanhou e não tinha uma forte impressão (como toda a gente) de que ali havia marosca. Ele não é culpado de investir, mas há ali uma conivência, um ocultar, que são pouco éticos. Nada de ilegal, evidentemente.

Anónimo disse...

Francamente, espanta-me que ninguém veja nestas operações algo mais do que legítimas transacções entre privados. Reparemos: a SLN não esteve nem está cotada em bolsa - donde tratar-se-ia sempre de um investimento pouco "líquido" - mas enfim, poderia tratar-se de um investimento a longo prazo, admitámo-lo.

No entanto, tendo as acções sido vendidas menos de dois anos após a sua aquisição (com uma mais-valia não negligenciável de 140%!), é curioso que o comprador tenha sido... a SLN Valor, sociedade (maioritariamente controlada por Oliveira e Costa, ao que se sabe) cujo único património é... a participação na SLN (de acordo com o Expresso)! Diz-nos também o Expresso que, não existindo um valor de mercado para as acções (uma vez não estarem cotadas em bolsa), a transacção se fez aos valores "correntes" no momento em que ela se produziu.

Penso que é lícito perguntar o papel da SLN Valor nestas transacções. Mero intermediário ou "reservatório" das acções que ia comprando? Donde vem o seu património e como eram financiadas estas compras? Quais os valores de compra e venda das diversas transacções realizadas pela SLN Valor?

Há pelo menos alguma promiscuidade entre os intervenientes destas operações. As operações eram realizadas por intermédio do BPN (presidido por Oliveira e Costa), sobre acções da SLN (presidida por Oliveira e Costa), tendo por contra-parte... a SLN Valor (da qual é accionista de destaque Oliveira e Costa, embora seja actualmente presidida por Alberto Figueiredo, hoje em colisão com aquele). A promiscuidade é tanta que, a crer no Expresso, o próprio Cavaco Silva (e sua filha), em carta que dá suporte à ordem de venda, dirige-se ao presidente do Conselho de Administração da SLN - não deveria ser ao intermediário financeiro!? -, não dando qualquer instrução quanto ao preço pelo qual estaria disposto a realizar a operação!!!

Se calhar, se puxarem um pouco mais o fio à meada, vão descobrir um dos buracos por onde o dinheiro do BPN se evaporava. Não tenho dúvidas de que esta estória pode chamuscar politicamente o Presidente da República - ainda que, pessoalmente, não acredite que a haver ilegalidade, ele o possa ter feito com plena consciência disso. Mas pelo menos, para uma pessoa com a sua formação económica, terá havido alguma ingenuidade...

De todo o modo, espanta-me que a mais ninguém este tipo de operações suscite dúvidas...

Anónimo disse...

Sou de direita. Da pura e dura. Com muito orgulho. O Professor Cavaco Silva, de quem não sou um prosélito, é intrinsicamente um homem sério. Quem disser o contrário ou é burro ou um canalha.

commonsense disse...

É simplesmente reles pôr em dúvida a seriedade do Presidente da República.

Anónimo disse...

Que choldra...

Rui Herbon disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rui Herbon disse...

E que tal se, independentemente das simpatias e antipatias, fossemos a factos?

http://jugular.blogs.sapo.pt/939880.html

(Um abraço ao José Couto Nogueira, se andar por aí)