sexta-feira, 29 de maio de 2009

Politiquice... da pior

Vital Moreira, o candidato que lidera as listas do PS às eleições europeias parece vacilar entre propostas sobre o futuro da União Europeia - que merecem o elogio - e a politiquice mais rasteira - que se deve obviamente condenar e lamentar.
“Não quero fazer más intenções, certamente por acaso, todos aqueles senhores são figuras gradas ... estamos à espera que o PSD se pronuncie sobre a vergonha a roubalheira no BPN”,
“É de uma tal gravidade, de uma tal imoralidade, que eu considero estranho que os banqueiros portugueses não se demarquem daquela situação. (...) O PSD deve dizer o que pensa sobre este escândalo".
Não desejo acreditar que a mudança de estratégia de Oliveira Costa em relação à Comissão de Inquérito - primeiro não quis falar, com o argumento de ser arguido no processo, o que continua a ser - possa estar relacionada com a campanha eleitoral.
Aos políticos exige-se responsabilidade, redobrada nos tempos difíceis em que vivemos.
Há caixas que, se abrirem, sabemos como a história começa mas nunca saberemos como acaba.
Ninguém na política, no actual modelo de financiamento das democracias, está livre de ser apanhado no turbilhão. Justa ou injustamente. E com efeitos brutais e imprevisíveis nos regimes democráticos que todos - em princípio - tanto gostamos e queremos preservar.
Não vale tudo.

Mercado? Que mercado!

O que surpreende não é o grupo Chamartín não querer a adjudicação da obra que ganhou - obviamente que os centros comerciais entraram em trajectória descedente e apenas se espera que alguns não tenham até de ser implodidos.
O que surpreende é uma autarquia envolver-se num plano destes - uma mega centro comercial?

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Animadora...



... a subida do indicador de Sentimento Económico na UE e na Área do Euro pelo segundo mês consecutivo



Lamentável...

... se o próprio PS resolver aprovar o relatório da Comissão parlamentar de inquérito ao BPN com criticas à actuação do governador do Banco de Portugal.

Já tem sido suficientemente lamentável ver alguns representantes do povo tratar mal quem cumpre os seus deves de serviço público respeitando a lei e bem quem é suspeito de ter violado as leis da República. Quando deviam tratar todos por igual.

Este caso BPN - tal como o BPP - expõem um país terrível.

As exposições e declarações que ouvimos - com especial relevo para esta última de Oliveira Costa e ainda para as declarações de Dias Loureiro - levaram-me por vezes a perguntar-me: estarei mesmo a ouvir pessoas que pertencem - ou pertenceram - às lideranças políticas, financeiras e de negócios do País?

Há momentos em que tudo parece uma conversa de barracas ou que estamos a ver uma má versão de "O Padrinho".

Resta a consolação - ou pelo contrário a preocupação - de que esta doença está generalizada nas democracias.

Ver os deputados a tentarem crucificar pessoas a instituições que tentaram cumprir o seu papel dentro dos limites da lei e dos poderes instituídos é, no mínimo, lamentável. E mais lenha para a fogueira que está a destruir as lideranças.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Portugal a convergir



Os valores estão coligidos pela OCDE que aponta para uma quebra de 2,1% para o conjunto dos países da Organização, uma redução da actividade económica nunca vista desde que iniciou nos anos 60 as séries.

Nestas primeiras avaliações da evolução do PIB Portugal aparece como o menos castigado pela crise.
Ironicamente, o rendimento português poderá aproximar-se da média comunitária não porque subiu mas porque desceu menos que os seus parceiros.

Miguel Beleza, ex-ministro das Finanças e do Banco de Portugal, há muito que ironizava com essa possibilidade - que afinal parece que se vai confirmar.

Regulamentar, regulamentar, regulamentar...

Estados Unidos apertam regulamentação dos cartões de crédito, proibindo aumentos arbitrários das taxas de juro, alterações de contratos e cobrança de despesas não explicitadas.

No Reino Unido aperta a supervisão a quem oferece crédito pelo telefone: as sociedades que oferecem crédito pelo telefone sem serem solicitadas poderão ser penalizadas.

Em Portugal ainda não se fez nada. Apesar de sermos manifestamente menos alfabetizados em matéria financeira que os ingleses e até que os americanos.

domingo, 24 de maio de 2009

O custo da dívida como nunca esteve



Os dados são da central de balanços do Banco de Portugal.
O custo da dívida financeira das empresas portuguesas - juros suportados a dividir por dívida financeira - terminou o ano nos 8%, o valor mais elevado desde 2001.

A política monetária não consegue influenciar o preço do dinheiro.

Apenas para registo...

O aumento salarial de 5% transformou-se em zero ao fim do dia de quinta-feira.

O congelamento dos salários na administração do Banco de Portugal significa o congelamento em todas as autoridades de supervisão.

A notícia.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

segunda-feira, 18 de maio de 2009

O desemprego manipulado

Há anos que quem busca o rigor confia apenas nas Estatísticas do Emprego divulgadas pelo INE e não pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional.

Há anos que o número de desempregados divulgado pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional é alvo de suspeitas de manipulação.

A primeira vez que se noticiou essa manipulação foi na crise de 1993, era Cavaco Silva primeiro-ministro. O Ministério do Emprego era na altura liderado por Falcão e Cunha e a então limpeza de ficheiros foi dada pelo Público, assinada por João Ramos de Almeida.

Em todas as crises, os governos caíram na tentação de melhorar os números, indiferentes à realidade. O importante é a imagem, mais um elemento a contribuir para justificar a falta de confiança na classe política.

Este Governo caiu obviamente na mesma tentação. A notícia é do DN. A responsabilidade é obviamente do ministro Vieira da Silva.

As estatísticas do Emprego do INE têm obviamente limitações. Mas conhecemos as regras - definidas pela Organização Internacional do Trabalho - e sabemos que as estatísticas são supervisionadas pelo Eurostat. O que não impede obviamente que possam existir suspeitas de manipulação, avisadas aliás pelo Presidente da República.

"O presidencialismo do primeiro-ministro"

... classificação de Adriano Moreira.

Um debate muito rico e interessante agora no "Prós e Contras"

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Setúbal e crise

A violência no bairro Bela Vista em Setúbal é o sinal de alerta... que quem não queria ver a realidade dos efeitos da crise teimou em irritar-se, acusar de pessimismo ou de falta de rigor a todos quantos foram avisando para o processo que estava em andamento:

crise financeira...
crise bancária...
=» crise económica ... falências e desemprego
nova crise bancária ...
=»crise social...

e o sério risco de crises políticas.
Esta é uma crise que exige uma enorme responsabilidade política de líderes políticos, de empresários e banqueiros.
É nestes tempos que é preciso ser elite, ter elite política, económica e cultural.

O meu grande receio - face ao que vou assistindo - é que continue tudo muito distraído com batalhas de alecrim e manjerona.

Políticos e gestores de topo continuam a lançar achas para a fogueira.
Aqui reflecti sobre recentes actuações dos políticos.

Consciente dos limites -esperemos que temporários - à liberdade individual e às restrições que isso impõe a correr riscos reflectidos - e por isso compreendendo bem os argumentos de Pedro Santos Guerreiro pelo não ao corte dos prémios no debate escrito no Negócios - aqui apoiei o corte aos prémios dos gestores.

Vale a pena ter cuidado com o que se anda a fazer e a dizer.

Para quem se interessa por esta crise

Why do people turn subprime?

quinta-feira, 7 de maio de 2009

BCE e as medidas não convencionais

O BCE avançou com a decisão das medidas não convencionais, como a compra de obrigações.
As questões técnicas serão resolvidas mais tarde.

The Governing Council has decided in principle that the Eurosystem will purchase euro-denominated covered bonds issued in the euro area. The detailed modalities will be announced after the Governing Council meeting of 4 June 2009.

Esperemos que a crise não esteja entretanto terminada ou ainda mais aprofundada.
Este é o problema da Zona Euro - uma ameaça no actual contexto.

Fica por responder a difícil questão: que dívida pública, de que país, vai o BCE comprar?

Ah, sim, e decidiu baixar as taxas de juro para 1% e há outras medidas como a cedência d eliquidez a 12 meses.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

A grave crise em números

As previsões da Primavera da Comissão Europeia expõem a grave crise que vamos viver este ano - os números são muito preocupantes. E sabendo que as autoridades tentam ser moderadas nas fases baixas do ciclo, o que se antecipa é mais graves.

Aqui se podem ver as previsões num trabalho gráfico notável da Comissão.

Para a Zona Euro a previsão de queda do PIB é de 4% este ano.

O tempo é de enormes desafios.

sábado, 2 de maio de 2009

Os factos e o que se pode reflectir

Os factos...

Vital Moreira foi agredido o que se pode ler também aqui e ver aqui

Desfile da UGT interrompido por ameaça de bomba

Vital Moreira diz-se alvo de "sectarismo e intolerância"

Carvalho da Silva diz: "as pessoas estão em sofrimento...que se faça disto um ensinamento"

Vitalino Cana quer pedido de desculpas do PCP e da CGTP

O 1º de Maio da crise, título do El Pais, com violência na Alemanha, Turquia e Grécia

... e o que se pode reflectir

»As descrições e imagens expõem desespero e raiva - pelo percurso de Vital Moreira em contra-ponto com a situação do agressor.

»A violência nunca pode justificada e pode ser compreendida, especialmente por quem assume cargos com responsabilidade política.

» Carvalho da Silva fez a avaliação mais descomprometida do que se passou. Só quem não lida com o cidadão comum, de quem trabalha nas fábricas aos que estão nos serviços, das classes mais pobres à classe média, é que não tem consciência da revolta que se vai acumulando enquanto se assiste no sofá de casa ao desfilar de casos escandalosos no sector financeiro por esse mundo fora e se adivinham e antecipam justiças que não se fazem nos pequenos casos caseiros.

» A revolta não é apenas caseira como se pode ler, por exemplo, no El Pais. Não se pode apenas, rectoricamente, antecipar que a crise económica pode gerar uma crise social e, quando se está perante ela optar por acusações.

» Vitalino Canas optou pelas acusações e pelo pedido de desculpas. Percebe-se que o PS, com receio de ver alguns dos seus eleitores fugirem para a esquerda, queira capitalizar a agressão a Vital Moreira na tentativa de repetir a história da agressão a Mário Soares. Não é um atitude responsável do PS nem me parece que ganhe votos com isso - os eleitores não são estúpidos.

A crise existe, não são apenas números de queda do PIB. Há pessoas a sofrer significativamente com esta crise. Os responsáveis políticos têm de ter consciência disso.

As imagens da revolta e agressão

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Primeiras páginas do dia


O que foi a notícia de onte (o ataque na Holanda, como se adivinha)



...e o que foi a notícia de ontem de Economia
Escolhida a partir do Newsum