domingo, 19 de Abril de 2009

Freeport e jornalismo

Código Deontológico dos Jornalistas Portugueses
1. (...)Os factos devem ser comprovados, ouvindo as partes com interesses atendíveis no caso.(...)

Não há dúvida que exibir o vídeo que temos visto na TVI não respeita os princípios básicos do jornalismo:
- os factos ali relatados não são comprovados pelo jornalista;

- podiam não ser comprovados mas poderíamos estar perante fontes credíveis, o que não é o caso.

- os "acusadores" de José Sócrates, designadamente Charles Smith, não podem ser considerados 'fontes credíveis'. Smith estava a justificar o desaparecimento de elevadas quantias de dinheiro.

- na critica à informação, que qualquer jornalista deve fazer, levanta-se a dúvida sobre as razões que levaram Smith a acusar José Sócrates - quem o está a interrogar não o pode confirmar, não pode ir perguntar ao primeiro-ministro de Portugal se recebeu dinheiro.


Não estamos definitivamente a fazer jornalismo.
Seja qual for o Código de Boas Práticas que se queira seguir.
Aqui podem ler-se alguns.

O jornalista não é um mero transportador de informação. É hoje, mais do que nunca, um validador da informação. E essa operação não foi feita pela TVI.

Além dos problemas obviamente graves de se estar relatar informação não rigorosa, elevamos, com esta prática, o risco de manipulação dos jornalistas. Um qualquer vídeo poder ser gravado com uma conversa entre duas pessoas que acusam uma terceira não presente, para o entregarem a um jornalista que o emite sem fazer qualquer trabalho adicional.

O que se está a passar é grave.

23 comentários:

SeaKo disse...

Quase que aposto que a resposta por parte da TVI a todos esses pontos seria: "...os 'factos' relatados constam de um DVD aceite pela investigação inglesa...não inventamos nada...ninguém nós calará, nós é q somos independentes ao contrario dos outros jornalistas, liberdade-de-imprensa!! liberdade de imprensa!! blablabla"

Agora é esperar pela próxima 6ª-f para divulgarem a versão em 3D e dobrada em português. Pq reciclar é q está a dar. E até Setembro é preciso mta criatividade.

Anónimo disse...

Este país é uma choldra !!!

Anónimo disse...

Ao menor pretexto este buraco vai pegar fogo.

Neste momento qualquer unha encravada serve.

Uma limpeza geral até podia ser pedagógica...

Se não fossemos um bando de cretinos, a coisa já estava a aquecer.

Viva a escravatura assalariada !!!

Nuno Ramos de Almeida disse...

Charles Smith e o sócio Manuel Pedro não são credíveis? Qual é a base jornalística para essa afirmação? Os senhores são os sócios da empresa que conseguiu a aprovação do Freeport. Em qualquer país do mundo, em qualquer órgão de informação do mundo, seria notícia um vídeo em que explicam a um administrador do Freeport como, alegadamente, corromperam um governante. Cabe à justiça, e não aos jornalistas, provar se essas afirmações são verdadeiras ou falsas. Todos os protagonistas desse vídeo e os implicados foram convidados a dar a sua opinião, se não o deram é pq não quiseram. É interessante que a Helena Garrido se ponha ao lado daqueles que processam jornalistas, por fazer o seu trabalho, chegando ao ridículo , segundo o Expresso, de processar um operador de imagem por ter filmado a fachada da polícia britânica, em vez de defender o direito dos jornalistas de informarem e investigarem.

Nuno Ramos de Almeida (jornalista da TVI).

Anónimo disse...

Sr Engenheiro;
Isaltino Morais;
Fátima Felgueiras;
Adelino Ferreira Torres;
Pinto da Costa;
Valentim Loureiro;
Vale e Azevedo;
Jorge Rito;
Carlo Cruz;
Dias Loureiro;
Grupo dos banqueiros amigos do BPN;
Jardim Gonçalves e restante trupe;

Sem comentários...

oscar carvalho disse...

Helena,
Felicito-a pelo seu post e o apego que mostra ao código deontológico, pois é raro entre os seus colegas jornalistas.

Anónimo disse...

A Helena não acha credivel os personagens do DVD, porquê?
Baseia-se em quê?
Quer saber a minha opinião? Conhece a história do Pedro e do Lobo? Tantas vezes anunciou falsidades que deixaram de acreditar nele.
Teco

Anónimo disse...

Desonestidade intelectual? Os jovens portugueses, tentem obter alguma formação nesta nitreira que é o Portugal de hoje e emigrem enquanto é tempo. Destinos ideais: Austrália, Nova Zelãndia e Chile, por esta ordem. Cidades preferenciais: Sidney, Melbourne, Perth, Auckland e Cristchurch, Santiago do Chile, Valparaíso e Viña del Mar. Quem vos avisa vosso amigo é. Portugal serve para esperar a morte. Somos os cafres da Europa. É um facto.

Anónimo disse...

Vale a pena ler, pensar e agir.

Eduardo Prado Coelho, pouco antes de nos deixar, teve a lucidez de escrever isto.


Precisa-se de matéria-prima para construir um País
Eduardo Prado Coelho – in Público


A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como
Cavaco, Durão e Guterres.
Agora dizemos que Sócrates não serve.
O que vier depois de Sócrates também não servirá para nada.
Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão que
foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates.
O problema está em nós. Nós como povo.
Nós como matéria-prima de um país.
Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda sempre
valorizada, tanto ou mais do que o euro.
Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais
apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos
demais.
Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão
ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos
passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL,
DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.
Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras
particulares dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa,
como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo
o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos... e para
eles mesmos.
Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque
conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se frauda
a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.


Pertenço a um país:
- Onde a falta de pontualidade é um hábito;
- Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano.
- Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo
nas ruas e, depois, reclamam do governo por não limpar os esgotos.
- Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros.
- Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem
que é "muito chato ter que ler") e não há consciência nem memória
política, histórica nem económica.
- Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar
projectos e leis que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe
média e beneficiar alguns.

Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas
podem ser "compradas", sem se fazer qualquer exame.
- Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma
criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto
a pessoa que está sentada finge que dorme para não lhe dar o lugar.
- Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o peão.
- Um país onde fazemos muitas coisas erradas, mas estamos sempre a
criticar os nossos governantes.
- Um país onde os homens se sentem mais homens, exibindo animais
inocentemente abatidos a tiro, ou torturando touros numa arena.
- Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates,
melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um
guarda de trânsito para não ser multado.
- Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como
português, apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que
confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.
Não. Não. Não. Já basta.

Como 'matéria prima' de um país, temos muitas coisas boas, mas falta
muito para sermos os homens e as mulheres que o nosso país precisa.

Esses defeitos, essa 'CHICO-ESPERTERTICE PORTUGUESA' congénita, essa
desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até se
converter em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade
humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é
real e honestamente má, porque todos eles são portugueses como nós,
ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não noutra parte...

Fico triste.

Porque, ainda que Sócrates se fosse embora hoje, o próximo que o
suceder terá que continuar a trabalhar com a mesma matéria prima
defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.

E não poderá fazer nada...

Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor, mas
enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar
primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.

Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco, nem serve
Sócrates e nem servirá o que vier.

Qual é a alternativa?

Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a
força e por meio do terror?

Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa 'outra coisa' não comece a
surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os
lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente
estancados....igualmente abusados!

É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone
começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento
como Nação, então tudo muda...

Não esperemos acender uma vela a todos os santos, a ver se nos mandam
um messias.

Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses nada
poderá fazer.

Está muito claro... Somos nós que temos que mudar.

Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a acontecer-nos:

Desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e,
francamente, tolerantes com o fracasso.

É a indústria da desculpa e da estupidez.

Agora, depois desta mensagem, francamente, decidi procurar o
responsável, não para o castigar, mas para lhe exigir (sim, exigir)
que melhore o seu comportamento e que não se faça de mouco, de
desentendido.

Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO DE QUE O ENCONTRAREI
QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO.
AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO NOUTRO LADO.

E você, o que pensa?.... MEDITE!

EDUARDO PRADO COELHO

JP Santos disse...

Se me permite a intromissão, julgo que a questão não está na informação mas sim na forma como é tratada. O facto é que existe um vídeo em que alguém acusa o primiero-ministro de estar envolvido em corrupção e isso, em si, é obviamente uma notícia que não deve ser escamoteada. Não passemos do oitenta (tratar sensacionalisticamente uma "acusação" não comprovada) para o zero (ignorar que essa "acusação" existiu).

Anónimo disse...

Como é possível o Nuno Tito de Morais escrever o que escreveu:

Não esta em segredo de justiça? então.

Anónimo disse...

""Vale a pena ler, pensar e agir.""


Age tu , eu estou em cieiro

Anónimo disse...

"CEOE plantea el despido libre ante la gravedad de la recesión"

http://www.expansion.com/2009/04/22/economia-politica/1240426130.html

Já se fala de despedimento livre em Espanha. A moda vai chegar cá rápidamente.

Em França, responde-se à letra:

"Sequestros e assaltos a sedes de empresas
Febre social sobe em França"

http://dn.sapo.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=1208809&seccao=Europa

Anónimo disse...

Felizmente AINDA TEMOS JORNALISTAS.

Bem haja, Helena Garrido
G.

Anónimo disse...

Obrigado Helena GArrido pelo grande exemplo que deixa a mim (seu antigo aluno) mas sobretudo a todos os jornalistas que questionam a ética em todas as profissões mas que não têm a coragem de criticar os seus colegas jornalistas.
Os jornalistas não gostam de ver a sua liberdade de informar posta em causa, mas têm que pelo menos aceitar a liberdade de opinião!
Coragem para todos aqueles que têm a coragem de criticar e assim melhorar o jornalismo.

www.esquerdismosliberais.blogspot.com

Anónimo disse...

O tema já me faz azia...

Anónimo disse...

Meus queridos:

À beira do que está para rebentar, este assunto (Freeport) é pura treta...

"European banks are exposed to US commercial real estate and to problems in Eastern Europe and Spain, where the situation is turning dramatic. We think the Spanish savings banks are basically bust and will need a government bail-out,"

http://www.telegraph.co.uk/finance/financetopics/financialcrisis/5209033/Germanys-slump-risks-explosive-mood-as-second-banking-crisis-looms.html

Charles Smith Jr disse...

Ó menina, veja mas é se arranja vergonha na cara.
Quer tomar o lugar da "namorada", é?
Entre uma e outra, venha o Diabo e escolha, da-se!

Anónimo disse...

A namorada será a Manuela Ferreira Leite???

Charles Smith Jr disse...

Estou mais inclinado a pensar que és tu. Precisamente...

Anónimo disse...

"El responsable de la organización internacional dijo que la OMS, en estos momentos, "no tiene evidencias" de que la aparición del virus pudiera tratarse de un ataque bioterrorista destinado a matar al presidente de EEUU, Barack Obama, aunque dijo que "seguimos estudiando" todos los casos.
Fukuda respondía así a una pregunta en relación al viaje que efectuó Obama la semana pasada a México, donde se entrevistó con un prestigioso arqueólogo que falleció dos días después con síntomas similares a los de la gripe."

http://www.abc.es/20090426/nacional-sociedad/confirma-gravedad-situacion-estudia-200904261944.html

Rui Costa disse...

Há algum tempo, escrevi aqui a minha opinião sobre a Manuela Moura Guedes. De facto, algo de grave se passa:

"É fundamental que esta senhora (tenho muito dificuldade em utilizar o termo "jornalista" neste contexto) entenda que o seu papel não é o de comentador politico (será que anda atrás do lugar do Vasquinho?) mas antes de ponte isenta entre a informação e o telespectador.

Há quem diga que esta atitude por parte da ERC tem o seu toque de censura e que foi encomendada pelos nossos governantes. Eu cá acho que esta atitude mostra que, pelo menos neste caso, os responsáveis da ERC estão simplesmente a fazer o seu trabalho."

Observador disse...

Olhe, Rui Costa, a verdade é esta: V. está cheio de sorte, a cretinice não mata.